Assuntos Estratégicos > Assuntos > Defesa > Ipea apresenta avaliação sobre grau de confiança dos brasileiros nas Forças Armadas
Assuntos Estratégicos > Assuntos > Defesa > Ipea apresenta avaliação sobre grau de confiança dos brasileiros nas Forças Armadas
Ipea apresenta avaliação sobre grau de confiança dos brasileiros nas Forças Armadas

Ipea apresenta avaliação sobre grau de confiança dos brasileiros nas Forças Armadas

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) apresentou,  nesta quinta-feira, (26) a segunda avaliação da Defesa Nacional do Sistema de Percepção Social (SIPS). O estudo ouviu 3.796 pessoas, em 212 municípios, sobre as Forças Armadas, o poder militar do Brasil e a inserção internacional do país.

A pesquisa destaca que 49,6% das pessoas entrevistadas têm muita ou total confiança no Exército, na Marinha e na Aeronáutica. Somente 18% declararam não confiar nas Forças Armadas. A população da região norte é a que apresentou maior índice de aprovação, com 55% dos ouvidos afirmando que confiam muito, ou totalmente.

O estudo também mostra que a população avalia de forma positiva as condições dos equipamentos de defesa, mas acha necessário mais investimentos no setor. Cerca de 70% dos entrevistados acreditam que o orçamento militar deveria aumentar muito, ou razoavelmente. O levantamento também aponta que 58,1% da população acreditam que o papel mais importante das Forças Armadas é combater a criminalidade, em conjunto com as polícias militares. Em seguida vem a defesa do país em caso de guerra, o auxílio à população com serviços médicos e sociais  e assistência em caso de desastres naturais.

Em dezembro passado, o Ipea já havia divulgada uma parte do estudo, onde foi constatado que os brasileiros consideram como principais ameaças à segurança do país o crime organizado, a guerra, o terrorismo e epidemias, além de desastres ambientais e climáticos.

O SIPS é um sistema de indicadores sociais que verifica como a população avalia os serviços de utilidade pública. Os dados apurados servem como guia para o setor público estruturar melhor suas ações. Já foram divulgadas edições sobre justiça, assistência social, educação, cultura, segurança, igualdade de gênero, bancos, mobilidade urbana, trabalho e renda, e saúde.


publicado 26/01/2012 17:10 notícia