22 de novembro de 2010

  1. Em 2022, o Brasil será um Estado ainda mais soberano e cada vez mais democrático; uma sociedade mais justa e progressista; um país em acelerado desenvolvimento sustentável.
  2. Estado plenamente soberano, o Brasil participará em condições de igualdade dos mecanismos de governança mundial e regional: do Conselho de Segurança das Nações Unidas, do qual será membro permanente; do G-20, que será o principal organismo de coordenação da economia mundial; da União das Nações Sul-Americanas – UNASUL –, que será o centro de um pólo sul-americano; da Organização Mundial do Comércio – OMC – e do Fundo Monetário Internacional – FMI –, onde terá a capacidade de influir em favor dos países em desenvolvimento. E o Brasil, em todas as questões internacionais, tomará o partido da paz, da justiça e do desenvolvimento.
  3. Em 2022, o Brasil fará parte de um bloco econômico, o Mercosul, que terá ultrapassado a etapa de união aduaneira, que constituirá uma união econômica dos países que o integrarem e que procurará o desenvolvimento econômico equilibrado, com a industrialização sustentável e inclusiva de todas as suas regiões e Estados.
  4. O Brasil será um Estado plenamente soberano, com os meios necessários à garantia da segurança de suas fronteiras terrestres, de seus mares, de seu espaço aéreo e de suas infraestruturas críticas contra as ameaças transnacionais – o crime organizado, o terrorismo, o tráfico de drogas e de armas – e capaz de dissuadir qualquer Estado que pretenda limitar nossa autodeterminação, nossa segurança econômica, nosso desenvolvimento.
  5. Em um Estado plenamente soberano, nossa economia não estará vulnerável à especulação financeira internacional, nem às pressões de terceiros, decorrentes do controle político ou econômico de recursos estratégicos, sejam eles naturais, industriais ou tecnológicos.
  6. Um Estado democrático, consolidado, em que os cidadãos brasileiros participarão de forma próxima e intensa dos processos de escolha e fiscalização de seus representantes nos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário.
  7. As liberdades de expressão e de imprensa, indispensáveis à construção da auto-estima nacional e de nossa visão da realidade, premissa de políticas públicas eficientes, serão plenas no Brasil, com a garantia da diversidade de opinião e de competição, assegurados os direitos dos cidadãos à reparação contra a difamação, a calúnia e a injúria.
  8. Um Estado cada vez mais democrático, como o Brasil almeja ser em 2022, onde a influência do poder econômico sobre o sistema político terá sido extirpada, de modo a garantir a realidade do princípio democrático de “um cidadão, um voto”.
  9. As mulheres e os homens estarão em condições de igualdade, livres de toda violência em suas atividades econômicas, políticas e sociais. As brasileiras e os brasileiros, negros, brancos, asiáticos, indígenas e mestiços, sem distinção de religião ou de convicção, terão as mesmas oportunidades de ascensão social e de participação econômica e política.
  10. A sociedade brasileira será mais justa, pois as diferenças de renda entre as classes e as regiões terão se reduzido de forma significativa, e a fome e a miséria e a pobreza extrema terão desaparecido de nosso território.
  11. O sistema tributário cumprirá sua função de forma progressiva, fazendo com que a contribuição de cada um corresponda à sua capacidade econômica. O Brasil em 2022 terá deixado de ser um dos países mais desiguais do mundo.
  12. Assim como a redução das diferenças excessivas de renda, uma sociedade mais justa exige que as diferenças de riqueza se tenham reduzido e que os cidadãos tenham pleno acesso à propriedade da terra, no campo e nas cidades.
  13. Uma sociedade mais justa será o Brasil, em 2022, em que a violência e os atentados à vida e à propriedade terão se reduzido, extraordinariamente, de tal forma que todas as e brasileiros se sentirão seguros em seus lares e nas ruas de suas cidades.
  14. Uma sociedade mais justa em que todos os brasileiros terão igual acesso aos bens públicos da saúde, da educação, do transporte, da habitação, da justiça e da cultura. A saúde é requisito fundamental de uma cidadania capaz de produzir melhor e de participar plenamente da política. A educação é um processo permanente, e a cada momento mais sofisticado de preparação de homens e mulheres para uma participação política cada vez mais complexa, para seu pleno desenvolvimento cultural e para uma atividade produtiva que se transforma, contínua e rapidamente. Em uma sociedade que será mais urbana, o transporte rápido, seguro e acessível, é uma condição para a fruição de uma vida digna. A habitação em local e condições adequadas, dotadas de saneamento, é uma das necessidades essenciais à família, unidade da vida social, necessária à sua integridade e desenvolvimento. A justiça rápida e imparcial é indispensável a uma sociedade complexa e diversificada, ao garantir as condições de segurança da atividade econômica e da convivência social.
  15. O Brasil, em 2022, reunirá, assim, as condições de convivência social e de desenvolvimento econômico que permitirão um crescimento demográfico capaz de tornar possível atingir, gradualmente, uma densidade demográfica e uma ocupação do território mais adequadas.
  16. Uma sociedade mais progressista, o Brasil assegurará a todos o livre exercício de sua orientação sexual e o desenvolvimento integral de sua personalidade, livres da discriminação e da violência, em um ambiente de tolerância, civilidade e harmonia.
  17. Uma sociedade mais progressista, em que a diversidade será assegurada, o patrimônio cultural preservado e valorizado e em que as manifestações culturais brasileiras se encontrarão em pé de igualdade com as estrangeiras, em um intercâmbio vital e enriquecedor.
  18. O Brasil será, em 2022, uma economia em crescimento acelerado e sustentável, a cada ano reduzindo firmemente a distância que nos separa dos países desenvolvidos.
  19. Um país em desenvolvimento acelerado, estará o Brasil integrando, fisicamente, o seu território e incorporando socialmente amplos contingentes de brasileiros à economia moderna de produção e de consumo, criando um extraordinário mercado interno.
  20. A economia brasileira terá dimensões tais que poderá produzir em seu território, com capacidade tecnológica e eficiência, os bens mais sofisticados, e sua estrutura industrial e de serviços garantirá a crescente agregação de valor e os salários dignos e elevados a que corresponde.
  21. A integração física do território se dará pela construção de uma matriz de transportes multimodal que, ao lado da eficiência ambiental, permitirá a circulação rápida e a baixo custo dos bens produzidos em cada região do país. A integração física depende da ampliação do sistema energético de tal forma que, preservado o meio ambiente, as regiões mais distantes e suas populações tenham a possibilidade física de processar seus recursos naturais e a eles agregar valor, aumentando sua produtividade e sua renda. Um moderno sistema de comunicações, em 2022, permitirá a cada brasileiro, nos mais distantes rincões, ter acesso a serviços e informações de toda ordem, necessários a sua plena participação no sistema econômico e social do país.
  22. Para que o Brasil atinja essas aspirações nacionais em 2022 – ser um Estado soberano e democrático, ser uma sociedade justa e progressista, ser um país em acelerado desenvolvimento – teremos todos nós: trabalhadores, empresários, políticos, profissionais, intelectuais, militares, artistas, administradores, homens e mulheres, jovens, adultos e idosos, de enfrentar até 2022 os árduos desafios de reduzir as disparidades sociais, eliminar as vulnerabilidades externas, realizar todo o potencial de nosso território e de nosso povo.
  23. Os esforços feitos nos últimos anos foram extraordinários, assim como os seus resultados. O novo modelo de desenvolvimento brasileiro trouxe de volta o dinamismo do passado, quando a economia crescia vigorosamente, porém, agora, sem acentuar as desigualdades. Muito pelo contrário. Caminhamos hoje a passos largos para a eliminação da pobreza e a diminuição das desigualdades regionais e pessoais. A política macroeconômica permitiu a estabilidade da moeda, a eliminação da dívida externa, a acumulação de reservas, a expansão do comércio exterior, a atração de investimentos, o fortalecimento do crédito, a consumidores e produtores, indispensável às empresas nacionais desde as maiores até as menores. Os programas de investimento vêm permitindo a diversificação da matriz de transportes e de energia e sua crescente eficiência ambiental. O esforço de construção e de recuperação do capital humano do país, desde a geração de empregos e a valorização do trabalho até a assistência dos necessitados, vem capacitando contingentes cada vez maiores de brasileiros para o trabalho e para o consumo, excluídos que foram durante séculos, oprimidos por estruturas sociais arcaicas e pelo descaso dos governantes. As políticas sociais retiraram da miséria e da pobreza dezenas de milhões de brasileiros e trouxeram até eles maior segurança alimentar, acesso à educação, à saúde, à luz e à água, reduzindo a mortalidade infantil e aumentando a expectativa de vida.
  24. A democracia vem se fortalecendo a cada ano, pela realização de eleições livres, pela crescente participação do povo na elaboração de políticas públicas, pelo combate à corrupção, pela cassação de representantes e a vedação de candidaturas de indivíduos corruptos e pela cobrança vigorosa  da sociedade sobre a atuação de seus representantes.
  25. Até 2022, estará plenamente consolidado o crescimento sustentável, com estabilidade da moeda e solidez das contas do Estado. A dívida pública estará próxima de 25% do PIB, a dívida externa líquida será negativa, como já é hoje, e um grande desafio será aumentar a formação de capital, diversificar nossas exportações e ampliar nossa participação no comércio mundial. Haverá, em 2022, um número expressivo de empresas brasileiras com ação internacional, tanto exportadoras como investidoras, em todos os continentes e o Brasil terá alcançado a posição de quinta maior economia do mundo.
  26. A crise financeiro-econômica, que se iniciou em 2008, revelou ao mundo e ao Brasil o acerto das políticas econômicas, sociais e de infra-estrutura que permitiram ao Brasil gerar milhões de empregos, aumentar o salário mínimo real, crescer a elevadas taxas e atrair investimentos em um mundo estagnado, com desemprego, com baixo nível de investimentos.
  27. Muito resta a fazer na caminhada até 2022. O Estado, que é a expressão da coletividade, e a iniciativa privada terão de dar as mãos para enfrentar os desafios de reduzir disparidades, eliminar vulnerabilidades, aumentar a competitividade e construir o nosso potencial.
  28. Essas disparidades são extraordinárias, resultado de um processo histórico caracterizado pela escravidão, associada ao latifúndio e aos costumes e tradições da civilização ibérica. As disparidades regionais e de renda, assim como as desigualdades entre homens e mulheres, entre negros e brancos, dificultam a expansão do mercado interno. As disparidades extremas de nível educacional e cultural entre segmentos da população são igualmente extraordinários obstáculos a serem enfrentados.
  29. As vulnerabilidades externas, crônicas, vão desde o setor financeiro, em que as dificuldades de equilibrar o balanço de pagamentos tornam necessária a atração de capitais de curto prazo e garantir sua remuneração; desde o setor comercial, em que há a necessidade de reduzir e até eliminar os déficits em setores essenciais, como o da saúde e dos insumos agrícolas; desde o setor de defesa, em que é necessário o desenvolvimento da indústria e da tecnologia de defesa na medida de nosso território, de nossos mares e de nosso espaço aéreo; desde o setor político, em que o desenvolvimento da economia e da sociedade brasileira e a expansão natural de nossos interesses econômicos na América do Sul e em outras regiões tornarão essencial nossa presença permanente nos mecanismos de governança mundial.
  30. A realização do nosso potencial será tarefa extraordinária, árdua e emocionante. O Brasil é um dos cinco países de maior extensão territorial e, portanto, de maiores riquezas naturais do mundo; tem uma das sete maiores populações do planeta, o que significa a possibilidade de enorme mercado interno e menor vulnerabilidade; e já é uma das sete maiores economias do mundo, diversificada e sofisticada em sua mineração, agricultura, indústria e serviços. Tornar o Brasil uma sociedade desenvolvida, socialmente justa e integrada, tecnologicamente dinâmica, militarmente segura, pacífica, soberana e democrática, é o desafio que se nos impõe o próximo centenário.
  31. Para enfrentar este desafio foi definido um conjunto de metas, que foi submetido a ampla consulta aos brasileiros que integram os três poderes do Estado, nos três níveis da Federação, e aos que participam da sociedade nacional: empresários, trabalhadores, intelectuais, profissionais, militares, artistas e intelectuais, metas que se encontram apresentadas a seguir.

Economia

(Fazenda)

  • crescer a 7% ao ano
  • aumentar a taxa de investimento para 25% do PIB
  • tornar a tributação menos regressiva

(Banco Central)

  • reduzir a taxa de inflação para o nível médio dos países emergentes
  • reduzir o spread bancário para a média dos países emergentes
  • reduzir a dívida pública a 25% do PIB
  • alcançar a inclusão financeira de 100% da população adulta

(Planejamento)

  • construir uma nova arquitetura institucional do gasto público
  • modernizar o funcionamento da administração pública
  • utilizar de forma estratégica o poder de compra e financiamento do Estado
  • aperfeiçoar o arranjo federativo para a implementação de políticas públicas
  • garantir gestão eficaz e eficiente dos recursos humanos federais
  • instituir o Sistema Nacional de Patrimônio Público

(Agricultura)

  • duplicar a produção agropecuária
  • duplicar as exportações agropecuárias
  • aumentar a produtividade agropecuária em 50%
  • aumentar os níveis de controle de sanidade
  • triplicar os investimentos destinados à pesquisa agropecuária
  • ampliar a área de florestas econômicas em 50%
  • alcançar autonomia em fertilizantes
  • ampliar a oferta de informação meteorológica

(Desenvolvimento Agrário)

  • reduzir à metade a concentração fundiária
  • regularizar a propriedade da terra
  • dobrar a produção de alimentos
  • dobrar a renda da agricultura familiar
  • concluir o zoneamento econômico-ecológico de todo o país

(Pesca)

  • aumentar a produção anual da aqüicultura sustentável em cinco vezes
  • aumentar em 50% a captura sustentável da pesca
  • dobrar o consumo per capita nacional de pescado
  • gerar um milhão de empregos na atividade pesqueira

(Desenvolvimento, Indústria e Comércio)

  • ampliar a taxa de investimento para 25% do PIB
  • quintuplicar as exportações brasileiras
  • setuplicar as exportações de produtos de alta e média tecnologia
  • elevar o dispêndio privado em Pesquisa e Desenvolvimento para 1% do PIB

(Ciência e Tecnologia)

  • elevar o dispêndio em Pesquisa e Desenvolvimento para 2,5% do PIB
  • dobrar o número de bolsas concedidas pelo CNPq e pela Capes
  • ter 450 mil pesquisadores
  • alcançar 5% da produção científica mundial
  • triplicar o número de engenheiros formados
  • dominar as tecnologias de microeletrônica e de produção de fármacos
  • decuplicar o número de empresas inovadoras
  • decuplicar o número de patentes
  • assegurar independência na produção do combustível nuclear
  • dominar as tecnologias de fabricação de satélites e veículos lançadores

(Trabalho)

  • reduzir à metade a informalidade no trabalho
  • reduzir à metade a rotatividade no emprego
  • elevar a escolaridade do trabalhador para doze anos
  • qualificar toda a força de trabalho
  • desonerar a folha de salários sem perda de direitos do trabalhador

(Turismo)

  • dobrar o número de viagens domésticas
  • dobrar a oferta hoteleira
  • receber 12 milhões de turistas estrangeiros
  • triplicar o número de turistas sul-americanos
  • triplicar a oferta da aviação civil para o mercado interno

Sociedade

(Desenvolvimento social)

  • erradicar a extrema pobreza
  • acelerar a redução da desigualdade na distribuição de renda
  • erradicar o trabalho infantil
  • garantir a segurança alimentar e o acesso à água a todos os brasileiros
  • garantir proteção social a todas as famílias em situação de vulnerabilidade
  • garantir a instituição do Fundo Social de pesquisa em Ciência, Tecnologia e Inovação para as políticas sociais.

(Educação)

  • erradicar o analfabetismo
  • universalizar o atendimento escolar de 4 a 17 anos
  • atingir as metas de qualidade na educação de países desenvolvidos
  • interiorizar a rede federal de educação para todas as microrregiões
  • atingir a marca de 10 milhões de universitários

(Cultura)

  • incorporar a educação artística nos currículos escolares em todos os níveis
  • universalizar o acesso aos bens e conteúdos culturais a todos os brasileiros
  • atingir o índice de cinco livros per capita/ano como índice de leitura nacional
  • transformar museus e bibliotecas em equipamentos básicos da atividade pedagógica
  • estruturar cartografia e mapeamento da diversidade cultural brasileira
  • promover o Brasil à condição de quinto maior produtor de animação
  • organizar escolas de formação de artistas, técnicos e gestores de cultura em todos os estados
  • relacionar, tombar e preservar todos os monumentos históricos

(Esporte)

  • ter uma praça de esportes em cada município
  • incluir o Brasil entre as dez maiores potências olímpicas

(Juventude)

  • ampliar a escolaridade juvenil
  • assegurar a formação profissional dos jovens
  • promover a inclusão digital e tecnológica da juventude
  • ampliar o acesso dos jovens à rede de saúde
  • assegurar a propriedade da terra à juventude do campo

(Saúde)

  • reduzir à metade a mortalidade infantil e materna
  • alcançar autonomia na produção de insumos estratégicos
  • universalizar o programa de saúde à família
  • dobrar o gasto público em saúde
  • garantir assistência médica e farmacêutica a todos os brasileiros

(Previdência Social)

  • universalizar a proteção da previdência social
  • ter agências da Previdência em todos os municípios ou consórcios de municípios

(Direitos Humanos)

  • garantir proteção integral a crianças e adolescentes contra toda forma de violência
  • eliminar a tortura
  • erradicar o trabalho escravo
  • completar a transição democrática, assegurando o direito à verdade e à memória
  • assegurar o exercício dos direitos das pessoas com deficiência e mobilidade reduzida
  • superar todas as formas de discriminação contra a população LGBT
  • prevenir agravos contra idosos e fortalecer o convívio familiar

(Mulheres)

  • atingir a igualdade salarial entre homens e mulheres
  • assegurar a igualdade de participação nas instâncias mais elevadas do Executivo, Legislativo e do Judiciário
  • eliminar todas as formas de violência contra as mulheres
  • promover a saúde integral das mulheres e os direitos sexuais e reprodutivos

(Igualdade Racial)

  • atingir a igualdade salarial entre negros e brancos
  • eliminar o diferencial de mortalidade entre negros e brancos
  • triplicar o número de estudantes negros nas universidades
  • assegurar a igualdade de participação de negros e brancos nas instâncias mais elevadas do Executivo, do Legislativo e do Judiciário
  • Titular 100% das terras quilombolas

Infra-Estrutura

(Energia)

  • alcançar 50% de participação de fontes renováveis na matriz energética
  • elevar para 60% o nível de utilização do potencial hidráulico
  • dobrar o consumo per capita de energia
  • instalar quatro novas usinas nucleares
  • aumentar o conhecimento geológico do território não-amazônico de 30% para 100%
  • aumentar o conhecimento geológico do território amazônico de 15% para 60%

(Transportes)

  • dobrar a produção de transporte de carga
  • dobrar a  participação do transporte aquaviário na matriz de transportes
  • aumentar em 50% a participação das ferrovias na matriz de transportes
  • reduzir em 40% o consumo de combustível fóssil
  • dobrar o número de municípios e consórcios municipais atendidos por serviços aéreos
  • ter serviços aéreos em todos os municípios ou consórcios municipais da Amazônia

(Portos)

  • ampliar a capacidade portuária para 1,7 bilhão de toneladas
  • figurar entre os dez países de melhor desempenho logístico
  • triplicar a participação da navegação de cabotagem na matriz de transportes

(Cidades)

  • zerar o déficit habitacional brasileiro
  • urbanizar o universo de assentamentos precários
  • promover a regularização fundiária de metade do universo de domicílios informais
  • implantar corredores de transporte nas cidades com mais de 300 mil habitantes, capitais e regiões metropolitanas
  • duplicar a extensão da rede de metrôs
  • assegurar 100% de acesso a saneamento ambiental em todas as cidades

(Comunicações)

  • assegurar acesso integral a banda larga a velocidade de 100 mega bits a todos os brasileiros
  • ter em órbita dois satélites geoestacionários brasileiros

(Meio Ambiente)

  • reduzir o desmatamento ilegal a zero
  • reduzir em 50% as emissões de gases de efeito estufa projetadas em 2022
  • tratar de forma ambientalmente adequada 100% dos resíduos sólidos
  • aumentar a reciclagem dos materiais em 30%
  • aumentar em 100% o volume de esgoto tratado
  • garantir a implementação de no mínimo 30% do Bioma Amazônico e de 10% dos demais Biomas e da zona Costeira e Marinha como unidades de conservação

(Integração Nacional)

  • aumentar para 8% a participação da região Norte no PIB
  • aumentar para 18% a participação da região Nordeste no PIB
  • garantir oferta de água em quantidade e qualidade para 13 milhões de pessoas na Região Nordeste
  • aumentar a área irrigada no Brasil em 3 milhões  de ha, dos quais 300 mil  ha na região Nordeste, com aproveitamento de 200 mil ha disponíveis nos perímetros públicos de irrigação
  • implantar Coordenadorias Municipais da Defesa Civil em todos os municípios

Estado

(Justiça)

  • reduzir pela metade o número de homicídios
  • reduzir pela metade as mortes no trânsito
  • lograr excelência nas investigações criminais e na perícia técnica e científica
  • reduzir à metade o número de detidos sem sentença
  • implantar um eficiente sistema de proteção aos consumidores e à concorrência
    • demarcar todas as terras indígenas e dar sustentação socioeconômica às áreas indígenas demarcadas
  • assegurar tratamento digno a todos os presidiários

(Advocacia-Geral da União)

  • assegurar a efetividade da execução da dívida ativa da União
  • reduzir em 50% a litigiosidade judicial e administrativa
  • implantar e expandir os mecanismos de conciliação e transação com o Estado

(Controladoria-Geral da União)

  • assegurar total transparência das despesas públicas nos três níveis e nos três poderes
  • garantir pleno exercício do direito de acesso a informações públicas
  • implantar controle interno em 100% dos órgãos e entidades públicas
  • implantar as recomendações das Convenções Internacionais Anti-corrupção
  • assegurar a responsabilização das pessoas físicas e jurídicas envolvidas em corrupção

(Relações Exteriores)

  • reformar o Conselho de Segurança das Nações Unidas
  • aprofundar e expandir o MERCOSUL
  • decuplicar os recursos do Fundo para a Convergência Estrutural do Mercosul
  • decuplicar a cooperação técnica e financeira com a África
  • consolidar a UNASUL
  • consolidar o G-20
  • consolidar a articulação política com os países em desenvolvimento (IBAS, BRIC ASA, ASPA)
  • promover a cooperação internacional para os Direitos Humanos
  • reforçar parcerias estratégicas com países desenvolvidos

(Defesa)

  • garantir o monitoramento integral das fronteiras terrestres, das águas jurisdicionais e do espaço aéreo
  • lançar ao mar o submarino a propulsão nuclear
  • lançar o primeiro veículo lançador de satélites (VLS) construído no Brasil

(Gabinete de Segurança Institucional)

  • reduzir pela metade a oferta de drogas ilícitas e o consumo de drogas em geral

(Relações Institucionais)

  • consolidar instâncias permanentes para negociação federativa e arranjos institucionais de cooperação
  • concluir reforma do sistema partidário eleitoral e do funcionamento do Legislativo
  • consolidar uma rede nacional de Conselhos de Desenvolvimento Econômico Social
  • consolidar novo arranjo de cooperação e gestão interfederativa para as regiões metropolitanas

(Secretaria de Comunicação Social)

  • consolidar e aprofundar a liberdade de imprensa e a garantia do direito à informação
  • dar rapidez e transparência no acesso dos cidadãos à informação produzida pelos órgãos públicos
  • consolidar a internet como um terreno de liberdade de expressão
  • fortalecer a radiodifusão, com sinal aberto e gratuito a toda a população
  • consolidar mecanismos que garantam a efetiva complementaridade entre os meios de radiodifusão comercial, estatal e pública
  • garantir o direito de resposta ágil e proporcional nos casos de injúria, difamação e calúnia
  • preservar o controle nacional das empresas jornalísticas
  • garantir a prevalência do conteúdo nacional na programação
  • fortalecer a produção regional e a produção independente de conteúdo nacional
  • fortalecer e multiplicar as TVs e rádios comunitárias

(Secretaria-Geral/PR)

  • implantar órgãos responsáveis pela participação social no Poder Executivo da União, Estados e Municípios
  • universalizar a participação social nos processos de elaboração, implementação e avaliação das políticas públicas nos três níveis de governo
  • elaborar indicadores de participação social nas políticas públicas


15 Comentários para “O Brasil em 2022”

  1. Ou seja, em 2022 o Brasil será como os Estados Unidos da América… Faltou o item 27: Todo mundo falará Inglês.

  2. BRASIL POTENCIA disse:

    Viva o Brasil merece virar uma potencia

  3. Carlos disse:

    12 anos passam voando, vamos ver…

  4. José de Alencar Vaz de Sousa disse:

    Excelentíssimo Senhor Ministro Samuel Pinheiro Guimarães;

    Nossas dificuldades todos sabem! Temos que juntos criarmos condições favoráveis que possibilite um pleno desenvolvimento sustentável, onde nossa matriz energética consiga suprir as necessidades do desenvolvimento.
    Nossa matriz de transporte hoje é eneficiente, nossa infra-estrutura esta aquém das necessidades atuais. O produtor, seja no agronegócios, na indústria extravista, manufatura ou na prestação serviço a cada ano sofre por não conseguirmos atender suas necessidades em tempo hábil.
    O mundo moderno, onde o comércio eletrõnico cresce extraordinariamente requer ações rápido em tempo real. O fluxo de capitais hoje, depende do desempenho das políticas interna e externa. Isso, se conseguirmos ao longo dos anos honrar os compromissos assumidos!
    As disparidade sociais tão transparente no Brasil, vêem desde a colonização. Ao criarmos mecanismos de inclusão social, estamos inserido no mercado uma gama de consumidores que contribuírão para o fortalecimento do mercado interno; Em contrapartida, até que ponto esses mecanismos de inclusão social deve permanecer? até mesmo os paises centrais também possuem um bolsão de excluídos!
    È chegado a hora de revermos nossa política tributária, a reforma trabalhista e sindical tão importante quanto as reformas estruturais que dão suporte ao desenvolvimento!
    A democratização da informação (internet) é uma ferramenta que contribui para rompermos as desigualdades regionais e pessoais; Porém, é também necessário compreendermos o quebra-cabeça do mercado internacional com os seus protecionismos.
    O momento é agora, tudo depende do nosso desenpenho e das metas traçadas. O mercado internacional esta aberto, a crise economica iniciada no ano de 2008 possibilitou ao Brasil criar condições concorrer e capitalizar com menor dificuldade.
    O sistema financeiro nacional é confiável e moderno.

    José de Alencar Vaz de Sousa
    alencarvaz@hotmail.com

  5. Em 2022 o Brasil, terá amenizado significativamente as injustiças socio, econômica e cultural através da educação e de políticas públicas voltadas para o combate as desigualdade existentes atualmente em todos os ambitos da sociedade.

  6. Que cada brasileiro perceba-se como peça fundamental para estes objetivos. Não basta observar e criticar levianamente. Precisamos arregaçar as mangas e realizar.
    Nunca houve no mundo e na história uma condição tão promissora de se ter uma vida saudável, produtiva, longa, refinada e satisfatória como esta que se encontra em nossa frente agora.
    Eu estou com a mão na massa.. e você?

  7. Rio, 24.09.2010

    1) Sugiro que na seção de “metas do centenário” sejam registrados os indicadores atuais (e.g. uma das metas propõe atingir 10 milhões de universitários. O montante hoje existente deveria ser informado, para fins de futura comparação). Esse registro facilitaria futuras comparações de desempenho real.

    2) Também seria proveitoso uma proposição de custos para cada uma das metas, quando for factível ter uma estimativa em valores atuais.

    3) Não consegui localizar metas ambientais (e.g. DESMATAMENTO NULO)

    4) Sugere-se o envio para todas as universidades e a formação de núcleos de pensamento estratérgico por setores (redes de consulta)

    5)Uma das próximas possíveis ameaças em conflitos com outras nações poderá situar-se no combate no espaço cibernético, tal como o ocorrido recentemente na Estônia (atacada pela Rússia). Sugere-se considerar como meta a conveniência de implantação de força dissuasória neste terreno, similar às tradicionais (marinha, exército, aeronáutica).

    6) Difusão acentuada de valores culturais, filosóficos, humanísticos, musicais, artísticos, éticos. META OBRIGATÓRIA

  8. Murilo Cunha disse:

    Faltou uma meta para os aspectos culturais onde seja enfatizado o acesso universal aos equipamentos culturais (bibliotecas, museus, arquivos, teatro, cinema, etc.).

  9. Há necessidade de uma linguagem mais adequada à perspectiva de gênero. Cidadãos e Cidadãs….
    O conteudo é muito esperançoso, mas poderia ter as Metas mais concisas. Seria possivel?
    Teriamos que pensar em reforçar o mercado interno pois já hoje termos uma população significativa que poderia impulsionar qualquer economia de modo sustentável.
    Deveria haver forte pressão para a redução da concentração urbana e das megas metropoles. Isto não é nada sustentável como se prenuncia para São Paulo.
    Quanto à segurança alimentar também incluir a nutricional. Pode estar alimentado mas desnutrido como hoje se apresenta os níveis de obesidade preocupantes da população tanto urbana como rural.
    O protagonismos do Brasil no cenário internacional, temos que pensar a Rio +20 e o que pode sair de conclusões com a influencia direta do Brasil como hoje está tendo na Comissão de Direitos Humanos da ONU quanto ao direito ao acesso á agua e ao saneamento.
    Não basta ser a setima economia do mundo, mas tem que ter sustentabilidade social,institucional,ambiental, tecnologica , espacial além da economica.
    Sugiro colocar uma abordagem mais conforme o desenvolvimento sustentável.
    Parabéns, pois é um grande esforço pensar o futuro!

  10. Jorge Martins disse:

    Não existem citaçoes sobre a relevancia ambiental do Pais, os imensos serviços ambientais que ele presta ao planeta, todo o potencial de sua biodiversidade em termos de novos materiais, alimentos e farmacos além do seu imenso valor intrinseco, evolutivo e espiritual. Nada se falou sobre a amazônia e a Mata atlântica, sobre o Cerrado e a Catinga, sobre o pantanal e nosso imenso litoral de 8000 km. Nada se falou sobre fontes renovaveis de energia, sobre tecnologias limpas, sobre produção orgânica, agrtoecológica e sustentavel. Nada se falou sobre a proteção de nossos rios e manaciais subterrãneos. Nada se falou sobre uma nova matrix industrial capaz de funcionar numa lógica mais equilibrada com o meio ambiente e otimizadora do uso dos recursos naturais. Nada se falou sobre as ferrovias e carros elétricos, nem sobre bicicletas.

  11. Primeiramente parabenizamos a todos pela brilhante idéia, na criação deste espaço, para que possamos articular nossas idéias de uma forma mais sensata junto aos órgãos governamentais, não governamentais e a sociedade civil. Estamos falando nossa perspectiva para o Brasil 2022, com este modelo econômico que praticamos atualmente, será que este modelo, é o queremos para 2022?. Devemos fazer uma retrospectiva para o período, após a segunda guerra mundial, a partir dos anos 50, período este, que valorizamos bastante o capitalismo, esquecemos do nosso meio ambiente, não tivemos a humildade de compartilhar os recursos naturais com o capitalismo. Sentimos hoje na obrigação de reverter este modelo, para que não tenhamos um quadro devastador nos próximos anos. Para que tenhamos resultados sustentáveis, agregando valores econômicos, ambientais e sociais, são necessárias ações de mudança deste paradigma que está entrelhado em nossa sociedade.Lembramos que as políticas públicas não foram trabalhadas para um cenário que hoje necessitamos, como habitações sustentáveis, energias limpas e recursos renováveis, como por exemplo:
    – Captação de recursos junto a iniciativa privada, com incentivos fiscais, para aplicações em projetos sustentáveis.
    - Lembramos que o nosso clima tropical é bastante favorável,para que possamos desenvolver projetos de energia alternativa, usando a biomassa como uma fonte de recursos naturais, preservando a sua legalidade e agregando valores ambientais para seu uso sustentável.
    – Um plano de arborização urbana para as cidades, entre os benefícios ambientais mais percebidos e mais citados pela população estão os seguintes:a) Purificação do ar; b) Retenção de chuvas e prevenção de enchentes; c) Sombreamento e conforto; d) Melhoria do equilíbrio do clima urbano; e) Melhoria paisagística; f)Melhoria do equilíbrio ambiental e da biodiversidade do meio urbano; g) Melhoria do conforto acústico urbano h) Proporcionalmente o bem-estar.
    – Um projeto deste porte, juntamente com projetos de florestamentos e reflorestamentos rurais, com captação de recursos do governo federal e iniciativa privada, sem dúvidas, teremos energia limpa, meio ambiente saudável e mitigação das oscilações climáticas.

    Sem dúvidas, o que devemos pensar e agir rapidamente em projetos de limpeza urbana, projetos para retenção dos resíduos poluentes, tanto os industriais, quanto os naturais.
    Pensando assim, podemos em 2022 atingir as metas estabelecidas pelo programa da ONU, para o combate as mudanças climáticas.

    José Anilton Monteiro
    Presidente da OSCIP COSTA DO SOL

  12. 1. O Brasil de 2022, sempre será chamado a participar dos conselhos mundiais melhorando os mecanismos de governança mundial e regional do que existe hoje com importâncias de suas idéias ajudando em um mundo mais igualitário e fraterno. Os brasileiros terão uma vasta cultura e educação, participarão de forma próxima e intensa dos processos de escolha, de eleição e não precisarão tanto, exercer a fiscalização de seus representantes, nos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, os quais já terão consciência para o que foram escolhidos. Será o Brasil um Estado plenamente soberano, seguro de suas de suas fronteiras terrestres, de seus mares e de seu espaço aéreo, pois não haverá mais ameaças transnacionais – o crime organizado será praticamente extinto, o terrorismo só em livro de história, drogas só para curar doenças – não precisando dissuadir qualquer Estado, pois, não haverá qualquer um que pretenda limitar nossa autodeterminação, nossa segurança econômica, nosso desenvolvimento. A liberdade de expressão e de imprensa, indispensável à construção da auto-estima nacional e de nossa visão da realidade, de premissa de políticas públicas eficientes, com a garantia de diversidade, de opinião e de competição, assegurados os direitos dos cidadãos contra a difamação e a calúnia. Não haverá diferenças excessivas de renda, com uma sociedade mais justa exigindo cada vez mais que as diferenças de riqueza se reduza e que os cidadãos tenham pleno acesso à propriedade da terra, no campo e nas cidades. Uma sociedade mais progressista, onde estará assegurada a todos a liberdade do exercício de sua orientação sexual e o desenvolvimento integral de sua personalidade, livres da discriminação e da violência, em um ambiente de tolerância, civilidade, respeito, harmonia, um patrimônio cultural preservado e valorizado em que as manifestações culturais brasileiras serão realmente difundidas, valorizadas e admiradas pelos brasileiros e estrangeiros, num intercâmbio vital e enriquecedor. Para enfrentar este desafio deverão ter a real disponibilidades dos três poderes do Estado, nos três níveis da Federação, e aos que participam da sociedade nacional: empresários, trabalhadores, intelectuais, profissionais, militares, artistas e intelectuais, um conjunto integrado de metas, que não só fiquem para preencher papeis mas, que sejam realmente lançadas, implantadas, praticadas e modificadas ao longo de sua execução com o intuito de sempre melhorar.
    A esperança de não só um Brasil melhor mas também um Mundo melhor, popis sem isso não haverá possibilidade de exercer essas qualidades

  13. Paulo Torres disse:

    Acho muito bom o Brasil começar a pensar-se e arrisco sugerir dois pontos: que continuemos a nos voltar mais para nosso continente e nos integremos também internamente. Para isso precisamos continuar a construir pontes – literalmente – com os países vizinhos, pois não podemos ser um paraíso de desenvolvimento em meio à miséria e felizmente há sinais de progresso e até exemplos de crescimento em nosso entorno – Chile, Uruguai, etc. Isso porém exige que cuidemos da segurança, especialmente em relação ao crescimento do volume de atividade e da importância econômica do crime organizado nos grandes centros e nas suas rotas de abastecimento até a fronteira. É necessário fiscalizar as rodovias e também o espaço aéreo, além de divisas como o Lago de Itaipu, onde até submarinos artesanais podem ser usados pelo tráfico.
    Dentro do Brasil, precisamos rever nosso planejamento da concepção colonial de visão litorânea para uma postura moderna de desbravamento, onde o oeste e a expansão no interior sejam contemplados nos investimentos rodoviários, hidroviários e ferroviários. Isso passa ainda pela reavaliação da atual estrutura política, onde estados do tamanho de países precisam ser repensados para que os governos estaduais estejam mais próximos no apoio ao desenvolvimento e na segurança e demais serviços públicos. As últimas emancipações de estados – Mato Grosso do Sul e Tocantins – têm duas décadas, mostraram seu acerto e precisamos de uma Federação mais próxima do município através de mais do que os 27 governos estaduais e distrital atuais.

  14. Ana Karina Azambuja disse:

    As desigualdades não serão superadas de maneira eficaz enquanto não houver uma reforma tributária que passe a tributar: menos sobre o consumo, mais sobre a propiedade e proporcional sobre os rendimentos.

  15. O Brasil continuara fortemente em seu desenvolvimento se tivermos a saude, ensino basico (educação), como um dos principais pilares do nosso desenvolvimento. A cultura politica tem de estar entre estes pilares para que todos possam escolher melhor nossos futuros dirigentes.

Comentar