Assuntos Estratégicos > Assuntos > Legado > Clima > Adaptação do Brasil às Mudanças do Clima > Brasil 2040: cenários e alternativas de adaptação à mudança do clima
Assuntos Estratégicos > Assuntos > Legado > Clima > Adaptação do Brasil às Mudanças do Clima > Brasil 2040: cenários e alternativas de adaptação à mudança do clima
Brasil 2040: cenários e alternativas de adaptação à mudança do clima

Brasil 2040: cenários e alternativas de adaptação à mudança do clima

 

ACESSE AQUI O RESUMO EXECUTIVO DO PROGRAMA |


 

A mudança do clima global é o maior desafio à ação consertada da humanidade neste início de século. A trajetória de desenvolvimento do Brasil e dos demais países depende do grau de alteração das variáveis climáticas e de sua distribuição no espaço. Há consenso em que, mesmo ante a incerteza relativa a dimensão e distribuição dos fenômenos climáticos, é preciso avançar em ações que aumentem a resiliência das estruturas que balizam a vida e a economia.

A Subsecretaria de Desenvolvimento Sustentável da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República (SAE/PR) encomendou a instituições de reconhecida competência simulações a partir de modelos climáticos globais. O objetivo é estimar como as mudanças climáticas afetariam os setores econômicos em diferentes horizontes e sugerir estratégias de prevenção e de aumento de resiliência de diferentes sistemas que poderiam ser afetados.

O estudo denominado “Brasil 2040: cenários e alternativas de adaptação à mudança do clima” é constituído por quatro etapas. A primeira etapa consiste na aplicação de dois dos mais de quarenta modelos de clima global disponíveis para, a partir de suas projeções e com base em dois cenários distintos, derivar hipóteses de comportamento climático para o território brasileiro em 2040.

A segunda etapa do estudo identificou os impactos de cada um dos cenários climáticos sobre os recursos hídricos. Isso é crucial, pois quase todos os setores econômicos e as concentrações humanas sofrem impactos, não somente por variações de temperatura, mas, sobretudo, por variações na disponibilidade hídrica.

A terceira etapa consistiu em analisar os impactos sobre a população, sobre os recursos naturais e sobre alguns setores econômicos, considerando variações climáticas e disponibilidade de recursos hídricos. Isso foi feito relacionando as alterações das principais variáveis climáticas – temperatura e pluviosidade – com produção dos setores econômicos, infraestrutura, saúde humana, etc.

A quarta etapa do estudo consistiu na identificação de algumas medidas de adaptação ao cenário associado às projeções. Tais medidas envolvem estruturas caras (por exemplo: barragens para armazenar água ou construção de diques em zonas costeiras), mas contemplam também medidas mais simples como, por exemplo, sistemas de alerta de riscos, mudanças de práticas agrícolas, organização de grupos sociais, etc.

As dificuldades e desafios para elaborar um estudo tão abrangente são grandes e requerem o envolvimento de diversas áreas do conhecimento humano: engenharias, agricultura, economia, recursos hídricos, climatologia e sociologia. Os estudos foram desenvolvidos por instituições nacionais renomadas com o objetivo primário de subsidiar processos relevantes no âmbito da Política Nacional sobre Mudança do Clima, em particular, e no Plano Nacional de Adaptação à Mudança do Clima, em fase de conclusão no governo federal.

De particular importância é a especificação dos diversos níveis de incerteza associados às projeções. A modelagem climática global é um campo de desenvolvimento recente, caracterizado tanto pelo elevado número de variáveis naturais em processo de co-interação, quanto pela incerteza sobre o comportamento futuro de variáveis antrópicas, a mais importante delas relativa aos níveis de CO2 equivalente na atmosfera. A tradução da escala em que são elaborados os modelos globais para uma escala menor do território brasileiro também depende de metodologia desenvolvida recentemente e em processo de ajuste e refinamentos. Da mesma forma, as variáveis de disponibilidade hídrica padecem das mesmas restriçoes. Avaliar e expressar de forma clara e compreensível a incerteza associada a tais modelagens é essencial para que os resultados das simulações sejam vistos, compreendidos e utilizados na exata dimensão de sua capacidade preditiva e para evitar a exploração sensacionalista de dimensões seletivas das simulações.

A SAE disponibiliza todos os produtos encomendados à instituições de pesquisa de notória competência, divididos em dois grupos distintos:

I. Modelagem Climática, contendo as simulações de mudança do clima global com base em dois modelos e em dois dos cenários do IPCC e a tradução das variáveis climáticas globais para o balanço hídrico;

Produtos: o10203o405

Relatórios: 0102 - 0304

Recursos hídricos: 01 02 03 04 Aditivo 04

II. Adaptação, contendo estudos específicos para: Agricultura; Energia; Infraestrutura Costeira; Infraestrutura Urbana; e Transportes.

As centenas de planilhas e memórias de cálculo, extremamente especializadas e, em geral, acessíveis apenas a especialistas, podem ser obtidas por universidades ou institutos de pesquisa, por pedido endereçado à SAE.

Agricultura

Produtos: 0102 -

03  : a; 03: b e 03:c.

04: a- 04: b e 04:c.

0506

Energia

Produtos: 010203

Infraestrutura Costeira

Produtos: 05060708

Infraestrutura Urbana

Produtos: 1IU 2IU 3IU 4IU

Transportes

Produtos: 01020304- 05

 


publicado 29/10/2015 11:19 notícia
Javaterm1.pw