Secertaria de assuntos estrategicos Portal da SAE Twitter da SAE Facebook da SAE Flickr da SAE canal da SAE no Youtube
Portal do Governo Brasileiro
imagem do fale com a SAE
Brasília,

A Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República (SAE/PR), em parceria com a Caixa Econômica Federal e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), lançou a terceira edição do caderno “Vozes da Nova Classe Média”. O trabalho, cujo enfoque é “Empreendedorismo e Classe Média”, mostra a contribuição do empreendedor para a expansão da nova classe média brasileira.

Você pode folhear a publicação ou baixar o arquivo em PDF

Leia também




Um comentário para “Vozes da Nova Classe Média – 3º Caderno”

  1. Lauro Soares Lellis disse:

    Como sempre, o pecado é não haver comparações diretas a partir de 1990 e assim não se sabe como cada governo começou e terminou.
    Outro detalhe é a falta de gráficos comparativos – com situações semelhantes – com países d mesmo naipe do Brasil e com o mundo.
    Deste modo fica a falha de não se saber se estamos se estamos no “grupo dos classificados” ou no “Grupo rebaixados”.
    Um exemplo;
    Na antiga forma de se calcular o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) a partir de 1994, quando o Brasil era o 18º colocado entre 25 países em desenvolvimento.
    Em 1999 (5 anos) o Brasil e teve um crescimento de 0,050, sendo o 2º colocado em crescimento entre os 25 países.
    A partir do IDH de 2002 até 2007 (quando a forma de calcular o IDH mudou)o Brasil começou com um IDH de 0,796.
    Em 2007 (cinco anos) o Brasil teve um crescimento de 0,017, sendo o 22º colocado entre os mesmos 25 países.
    A fonte foi o “Human Development Report 2009 – United Nations Development Programe. http://hadrstats.undp.org/en/indicators/74.html
    Os dados nos anos intermediários foram calculados.
    Outra comparação é que o PIB Médio do Brasil, entre 1994 e 2002 foi de 2,3% e o PIB médio do Mundo foi de 2,1%
    Entre 2003 e 2010 o o PIB médio do Brasil foi e torno de 4,0 % e do Mundo foi de próximo de 4,3%.
    Lauro

Comentar