Portal do Governo Brasileiro
imagem do fale com a SAE
Brasília,

Elevar a produção pesqueira em 40% e o consumo de pescados por habitante de 7 para 9 quilos são as metas para 2011, segundo o ministro da Pesca e Aquicultura, Altemir Gregolin, apresentadas hoje durante palestra na Secretaria de Assuntos Estratégicos.

A produção deverá subir dos atuais 1 milhão de toneladas para 1,4 milhões, o que deverá aumentar os postos de trabalho tanto da pesca artesanal como da pesca oceânica. A atividade pesqueira no Brasil oferece 3,5 milhões de empregos e rende R$ 5 milhões de Produto Interno Bruto.

O ciclo de palestras subsidia os técnicos da Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE) e do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), para a formulação de um projeto de desenvolvimento para 2022.

“Essa é uma área muito importante socialmente e passa a ter uma importância cada vez maior na área econômica. A aquicultura corresponde em torno de 5% da produção de carnes no Brasil. É um número bastante significativo. Se considerarmos a quantidade de pessoas diretamente envolvidas na produção, superamos 2,5 milhões a 3 milhões de pessoas”, explica Gregolin. 

De acordo com o ministro, a visão da pasta para o longo prazo reconhece a importância de o país ter uma estratégia de desenvolvimento econômico e social para a atividade pesqueira, tanto para a pesca artesanal, como para a pesca oceânica.

“A pesca artesanal tem em torno de 3 milhões de pessoas que dependem desta atividade. No Nordeste e no Norte, onde há um maior contingente, a sobrevivência da família está diretamente ligada à atividade pesqueira. Ela é um fator de segurança alimentar para os nossos pescadores”, ressalta.

Ao comparar a criação de gado com os pescados, o ministro destacou que, além de mais sustentável, a pesca também é mais rentável do que a produção bovina. “Em um hectare de boi você tem uma renda de R$ 400 a mil reais por hectare ao ano. E em tanques você tem em torno de R$ 8 mil”, afirma.

Para alcançar a meta apresentada, o Ministério seguirá algumas ações estratégicas, como a consolidação de uma política de Estado sobre a pesca, criação de linhas de crédito, incentivo à atividade sustentável e à inclusão social, estruturação da cadeia produtiva, fortalecimento do mercado interno e organização do setor.

Entre os principais problemas enfrentados, Gregolin citou a dificuldade de gerenciamento por parte dos produtores, os empecilhos que dificultam a fiscalização e o licenciamento ambiental.

O Ministério Aquicultura e Pesca possui atualmente cinco programas que se desdobram em 27 ações de governo. Entre eles estão o programa de Gestão da Política Pesqueira e Aquícola, Desenvolvimento Sustentável da Pesca, Desenvolvimento Sustentável da Aqüicultura, Gestão Estratégica à Informação Pesqueira e Aquícola e a Política de Infraestrutura Aquícola e Pesqueira.




3 Comentários para “Ministro da Pesca e Aquicultura apresenta plano de desenvolvimento para o setor”

  1. Sou presidente da colonia z 68 de Forquilha (CE). Temos conseguido otimos resultados, nosso açude estava poluido, quase morto. Com ajuda de todos mesmo sem condiçoes estamos salvando o açude e recuperando a produção de peixes, mas não e facil. Lidamos com pessoas necessitadas e sem educação pois viveram anos e anos sem nem um acompanhamento. O Ibama e insuficiente, desestruturado sem condições. O Dnocs tem agentes sem função nenhuma, não tem autorização. Quem vai fazer cumprir as leis da pesca? Doutor, com respeito ao meio ambiente, as leis da pesca, podemos faser muito. So precisamos que todos participem, ajudem a colonia é pequena para tanta responsabilidade. Temos nossa familia para cuidar, estamos na luta vamos continuar, as entidades so precisam nos ajudar, se precisar temos como ajudar Forquilha (CE). 23.04.2010

  2. Estive hoje nos eventos realizados em Fortaleza, concordo com tudo,so q a base somos nos a intenção e das melhores ,temos como produsir mais e mais .não se constroi nada de cima para baixo,e nos colonias e pescadores estamos nessa so p/ concordar, somos nos quem conhecemos toda a realidade e conhecemos os atalhos para se chegar mais rapido onde queremos. e o mesmo q remar contra a mare . o exemplo de como produsir respeitando omeio embiente nos temos aqui em Forquilha CE. entre em contato conosco 06/05/2010 z68forquilha@hotmail.com

  3. georg disse:

    Òtimo,o governo Lula e agora a presidenta Dilma e novos ministros estão mesmo agindo para moralizar o pais e as organizaçoes dos ministerios como o da aquicultura e pesca .
    È bom para os aposentados da funçao de pescador artesanal ou proficional, pois podem contribuir para a pervidencia e manter sua crteira de pesca e contribuindo para a preservação do meio ambiente ,ajudando a fiscalizar,pois o Ibama não tinha como fiscalizar todos os rios do estado,principalmente no interior,pois naõ despunham de combustivel suficiente,apesar de pouca qualificação de alguns dos oficiais que procuravam punir sem a devida verificação das documentaçoes legais dos pescadores . grato